Sons of Winter


Trama - The Summer is Comming

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Trama - The Summer is Comming

Mensagem por Balerion em Qui 23 Nov - 12:32:23

Sons of Winter


“Em Westeros há dois tipos de pessoas.
Os jogadores e os peões... Todo homem é um peão;
no começo, e toda donzela também.
Até mesmo alguns que pensam ser jogadores.”

— PETYR BAELISH

As longas estações se passaram arbitrariamente rápido desde a morte da princesa dragão, aquela que um dia repetiu os feitos de seu antepassado e conquistou os sete reinos. A guerra contra os mortos-vivos foi vencida com muitas vidas perdidas no processo, famílias destruídas e crianças abandonadas. Contudo, a população veria, nos cento e quarenta anos seguintes, paz e bonança para quem quisesse.

Eles sentem em informar, mas esse e o ano marcado por sua tragédia: o último de seus três dragões faleceu pela idade.

A paz, como todas as coisas que vem para o mundo, exigiu um preço dividido em parcelas: A magia novamente desapareceu do mundo. Os filhos da floresta se foram. Os sacerdotes não realizam milagres. As artes negras da necromancia não funcionam mais, e até mesmo os piromantes perderam boa parte de seu conhecimento, decaindo a meras sombras de sua grandeza de outrora. A magia tornou-se reduto de lendas e mitos, existindo apenas na superstição da plebe.

Dragões não é mais algo que muitos vêem e sabem sobre; estão quase todos mortos. Os últimos dragões de Daenerys pereceram a 3 anos atrás. A família Targaryen, que veio das ruínas de Valyria para Westeros há quatro séculos, que uniu sete reinos beligerantes sob o Trono de Ferro duas vezes através de Aegón, o Conquistador e Daenerys, a quebradora de correntes, vieram para o local nas costas de outros dragões. Estes ainda vivem.

Daenerys, reconquistou e unificou Westeros trezentos anos atrás, com seus filhós Drogon, Rhaegal e Viserion. Juntos, eles eram as três cabeças do dragão. Chegaram de volta as terras que lhes tinham sido roubadas — os dragões verdadeiros — e deram uma escolha a todos que enfrentava: se oponham e sejam queimados ou dobrem os joelhos. Esse era o mais novo lema da casa.

Por todo o século seguinte, os Targaryen uniram os reinos sob um governo, a paz trazida pela quebradora de correntes foi duradoura. Por muito tempo, antes de os Dragões ascenderem ao trono novamente, as pessoas ouviram falar sobre o inverno e os mortos-vivos que ele trazia. As promessas e previsões nunca se cumpriram.

Eles nunca vieram.

Atualmente, o rei Viserys III e suas três filhas detém o poder sobre os sete reinos. Um rei bom e amado, mas que nunca foi capaz de ascender uma linhagem  masculina. Contudo, ao contrario de outros, foi capaz de dar vida aos dragões novamente, Aegon com escamas brilhantes brancas e verdes, Balerión negro e prateado e finalmente Maegor, completa e totalmente vermelho como o próprio sangue.

Mesmo muito enfraquecido com a provação, estava feliz por trazer de volta os dragões, que agora, eram parte de si. Para celebrar sua recuperação, foi realizado um grande banquete, com comida e bebida a vontade para satisfazer os maiores desejos da plebe de Westeros. No calar daquela noite enquanto as pessoas bebiam e dançavam em volta de fogueiras, após o rei Viserys ter se retirado, a recuperação mostrou-se curta. A cada instante, as dores no peito e a respiração ofegante continuavam a perturbar mais e mais o tão querido rei.  

O que a população não sabia, era que a paz não duraria muitos anos mais. Ainda naquela madrugada, tudo estaria perdido. Todos se preocupavam com o estado de Sua Majestade. Seu corpo parecia não poder suportar o que lhe foi exigido para despertar as feras mágicas. Foram longos vinte e seis anos de reinado, e então.

Viserys da Casa Targaryen, o Terceiro de seu Nome, Rei dos Ândalos, dos Roinares, dos Primeiros Homens, Lorde dos Sete Reinos e Protetor do Reino, fechou os olhos e dormiu. Nunca mais acordaria.

Seu herdeiro mais velho herdaria o reino, assim como os dragões.

Mas como falado, a paz não duraria por muito mais tempo, o mundo de Gelo e Fogo é um universo marcado por suas longas estações: longos invernos, longos verões. Enquanto os Stark já enfatizam a dureza e severidade do primeiro caso com seu lema tão famoso, a temporada de verão não está muito atrás em termos de inclemências e dificuldades, especialmente na quieta metade sul de Westeros.

Os meistres da cidadela já afirmam. É a primavera mais seca e sufocante que tem sido lembrada há mais de meio século. Os rios secam, os campos desaparecem em rachaduras e terra seca, e as plantas e os animais morrem em face da escassez de água. Nem mesmo as terras férteis e ricas do reino estão salvas dessa terrível seca que atinge o continente, mas, por enquanto, o reino mais ferido é, sem dúvida, Dorne. Como se a falta de chuva não fosse suficiente no território dos desertos e do sol ardente, os furtos e os saques começaram a se intensificar. O surgimento recente de vários grupos organizados de bandidos e saqueadores acendeu os alertas de senhores e senhorios, com medo de ver suas terras esgotadas pela situação. Como se isso não bastasse, os piratas começam  a atacar a costa do reino, privando-o de grande parte do fluxo comercial de Essos para o medo de serem assaltados.

A situação para o governo dos príncipes Martell é crítica. Todo mundo tem seus olhos neles, todos esperam também que uma possível solução venha das mãos da nova Rainha de Westeros, sua demora a resolver os casos que surgem por todo o reino no entanto levam alguns dos senhores mais ardilosos a voltar a pensar em se rebelar contra os Targaryen novamente, mas por hora isso não passa de uma ideia vazia. Enquanto isso, as regiões mais ricas do reino estão sob controle, entre o aumento do banditismo com os vizinhos do sul e a praga que se espalha cada vez mais na fronteira norte com o Ocidente.

Para piorar, enquanto o reino luta contra a seca do outro lado do mar estreito as coisas começam a se agitar, um novo conquistador emergiu diante da grande seca e dos problemas habituais de um outro continente, seu nome causa arrepios em alguns, esperanças em outros. Daemon Blackfyre surge conquistando terras e respeito em Essos.

Algumas pessoas acreditam que o novo comandante da Companhia dourada pretende fazer aquilo que todos os antigos membros sempre sonharam, regressar ao seu “lar” em Westeros os filhos e netos de exilados agora comandam um exercito de centenas de milhares de homens. Após gerações de conflitos, os pretendentes Blackfyre finalmente possuem novamente um líder sólido. A Companhia Dourada, se tornou novamente um exercito particular e que segundo boatos está cada dia mais próxima de realizar um ataque a Westeros e tentar tomar o trono de ferro para si.

Alguns boatos dizem que a companhia dourada só quer voltar para casa, outros dizem que os Blackfyre ainda sonham em possuir o trono de ferro. Mas o boatos mais aterrorizantes dão conta de que assim como a família real, Daemon possui seu próprio dragão, que já é responsável por queimar alguns exércitos e cidades, no entanto ninguém jamais viu o príncipe Blackfyre na companhia do denominado Dragão Dourado. Só o tempo dirá se as lendas são reais.


Estamos no ano 507 D.C.


Balerion
avatar
Staff

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


Permissão deste fórum:
Você pode responder aos tópicos neste fórum